quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Patinhos

Nasceram os patinhos, a pata tinha oito ovos e nasceram sete. São lindos, fofinhos e muito pequeninos.





domingo, 25 de setembro de 2016

Pintainhos

A Poupas teve filhinhos, nasceram dois pintainhos de cinco ovos oferecidos pela minha prima. Um carequinha e outro com penas no pescoço. Ainda tinha esperança que nascessem todos, mas três ovos estavam chocos. E o carequinha quase morreu. Encontrei-o gelado e com as pernas esticadas como se estivesse morto, mas quando lhe toquei, ele piou. Verifiquei que ainda estava vivo mas completamente gelado, não conseguiu andar até à mãe para se aquecer. Peguei nele com muito cuidado e tentei aquece-lo. Depois lembrei-me que tinha um casquilho portátil com ficha e lâmpada que dava para colocar por cima dum caixote onde coloquei palha no fundo e embrulhei o pintainho em papel de cozinha e coloquei junto à lâmpada. Tendo o cuidado de mudar constantemente a posição para não o queimar. Isto ocorreu enquanto eu preparava o almoço, sempre a correr entre a banca e o caixote onde tinha o pintainho. Mas ele foi arrebitando, começou por encolher as patas para junto do corpo, depois aninhou-se,  tentou levantar-se aos poucos, até que se ergueu e deu uma bicadinha na palha. Fiquei satisfeita, pois se picas a palha é sinal que procuras comida, apressei-me a dar-lhe uns grãozinhos de arroz cozido, umas migalhinhas de pão e ele lá picou. O que foi óptimo, pois se se alimenta é sinal que tem hipóteses de sobreviver. E lá foi arrebitando, cada vez mais airoso que chegou o momento de o devolver à mãe. E lá ficou ele todo satisfeito junto da mãe e do irmão como se não tivesse passado por estes momentos de tanta incerteza quanto à sua sobrevivência. A Natureza é mesmo incrível e admirável.    





E ao final do dia, cá está ele todo satisfeito a comer junto da mama. 

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Couve galega (alfobre)

Hoje, já anoitecia quando plantei uns 30 pés de couve galega do alfobre de casa que desta vez consegui. Já tinha semeado várias vezes alfobres de couves mas sem sucesso. Penso que devido à falta de acompanhamento, principalmente de rega. Plantei na continuação da torna de couves que tenho do lado de baixo da estufa. Nesta torna de couves já tem algumas bem desenvolvidas e estão muito bonitas, já colhi várias vezes folhas destas couves para alimentar as aves da capoeira.







Enquanto executava estas tarefas de regar e plantar (e já não foi possível fotografar o resultado), tinha polvo e batatinhas a assar no forno que acompanhei com nabiças salteadas. 

Chegou o Outono

Hoje entramos no Equinócio do Outono. Época rica de colheitas e aprovisionamento de alimentos para os dias que se avizinham de escassez. E aproveitamos para celebrar a entrada desta estação que tem tanto de riqueza como de colorido.








quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Hortaliças

A torna de hortaliças cá da horta. Tem cerca de um mês, está lindíssima, tudo muito viçoso.









Tem 3 regos de couve galega, 2 regos de brócolos, 4 regos de penca, 3 regos de coração e na borda alguns pés de alface.

Feijão e favas

Feijão e favas pouco depois da germinação. Estão muito bonitas. Para o feijão poderá ser já tarde e para as favas poderá ser cedo, mas quem pretende ter destes legumes durante um período mais longo tem que arriscar.





Araças

Os araças estão muito bonitos e carregados de frutos. Se não lhe pegar nenhuma doença vou ter frutos muito bonitos. Tenho que estar atenta ao ataque da passarada, aos primeiros sinais terei que cobrir com uma rede anti-pássaros se quiser salvar a colheita.



Tenho uma árvore de frutos amarelos e outra de vermelhos. A de frutos amarelos é mais velha e já tem dado frutos noutros anos, a de frutos vermelhos é o segundo ano que tem, mas no primeiro nem sequer um fruto chegou a pintar porque os passarinhos comeram antes.  


sábado, 17 de setembro de 2016

Vindimas

Não poderia deixar passar a época das vindimas sem levar um pouquinho desta actividade para o escritório.










domingo, 4 de setembro de 2016